domingo, 2 de outubro de 2016

A Queda dos Trabalhadores

Enquanto as luzes estavam acesas eu resistia, apesar de assistir a uma celebração implícita, por uma vitória que começou a ser planejada três anos atrás, depois das incursões desastrosas de um grupo organizado de São Paulo.
Ao apagar das luzes, foi impossível não verter algumas lágrimas, sofridas, de alguém que sofreu uma derrota inimaginável. A ascensão dos trabalhadores ao poder chega ao fim e volta a se configurar a clássica e trágica política dos senhores de engenho, em pleno século XXI. E eu que achei já ter visto de tudo.
É muito triste perceber que a população mais pobre de São Paulo segue sendo presa fácil dos meios de comunicação. Sou obrigado a invocar e aplaudir às mais rudimentares formas das teorias da comunicação do século XX. Sou obrigado a admitir que informação é poder, mais, manipular a informação é prática corrente. Sou obrigado a aceitar que a imprensa é o quarto poder e teceu a história com a paciência de quem prepara um grande golpe no xadrez. A imprensa venceu.
Quando as luzes se apagaram, pude ver a satisfação nos rostos de quem arquitetou um golpe na população e a fez cair direitinho na armadilha. A TV ainda manda nas pessoas, ainda é capaz de submeter o ser humano a um transe coletivo capaz de emburrecer e de incentivar mantras autodestrutivos.
Quando decidi estudar jornalismo, eu ainda tinha a visão inocente desses tantos que hoje comemoram a própria sentença de morte. Poucos meses me fizeram temer, alguns anos me fizeram acender o sinal de alerta e a vivência da profissão me fez concluir que tudo é muito sujo nesse nosso mundo.
A imprensa política e econômica é incapaz de levar em conta o sofrimento da população, exceto se desejar atribuí-lo a seus inimigos, aqueles que querem evitar a concentração de renda em um país já tão desigual.
Os anos de 2015 e 2016 foram aqueles que me fizeram ter vergonha por fazer parte de uma categoria desunida, corrupta, capaz de vender a alma por dinheiro, status, ilusões. Nem mesmo o jornalista da grande imprensa se dá conta de que hoje está por cima, mas amanhã há de cair em desgraça.
Voltamos anos na história e mostramos que a humanidade ainda é a mesma da Idade Média, a mesma da escravidão, a mesma da Revolução Industrial, a mesma da Segunda Guerra. Uns punhados detêm o poder, a multidão se ajoelha e segue as regras impostas.
A única coisa que difere o homem atual do homem dessas outras épocas históricas é que agora ele se sente feliz ao ser manipulado, ele se sente senhor do mundo. Em comum, além da subserviência estão o ódio, o autoritarismo, a intolerância e a incapacidade de solucionar as mais singelas equações humanas.
Os avanços deram lugar ao passado, que volta com uma roupa nova, mas que veste os mesmos canalhas de outras gerações, substituídos por filhos, netos, bisnetos. Mandam os mesmos, obedecem os de sempre e os que notam essa conjunção do mal acabam sofrendo as dores daqueles que sorriem levando chibatadas.
É o fim de uma era feliz e o início de tempos trevosos, que podem se extender, mas vão acabar e voltar e acabar e voltar... E assim o capital se perpetua e a conclusão é a mais triste possível. Alguns mandarão sempre, o povo sempre será mandado e isso não mudará nem em cem, nem em mil anos. A história da humanidade é uma sucessão de erros, que se repetem sempre, década após década, século após século e mostra que o homem é o único animal irracional sobre a Terra.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Avanço e Retrocesso: Na Contramão da História, Brasil volta ao menos dez casas no tabuleiro

O dia 13 de março marca um dia importante na história do Brasil. Milhões de pessoas saíram às ruas para se manifestar contra o Governo Federal.
Organizar as ideias em um texto só é difícil, mas é possível fazer algumas considerações.
Penso ser saudável o combate à corrupção, mas creio que as pessoas que foram às ruas estão se iludindo. Existe uma campanha anti-PT, plantada na sociedade pela oposição. Há fatos que depõem contra muitos membros importantes do partido, sem dúvida, mas há muitos indícios transformados em 'provas' por uma população que crê piamente que a saída do partido do poder levará consigo todos os males que assolam o país. Em meu entendimento, um dos grandes perigos mora aí.
Hoje, na avenida Paulista, uma massa majoritariamente de classe média, eu disse MAJORITARIAMENTE, que fique claro, colocou para fora seus anseios.
Havia muita gente de bem, mas havia, em igual proporção, oportunistas da classe média alta que não aceitam perder o que consideram privilégios para que os 'pobretões' avancem na vida. Essa gente tinha muitos representantes, há vídeos e fotos aos rodos para comprovar isso.
Essa parcela raivosa da classe média eu conheço, convivi com ela quase dez anos e dela, mais de uma vez, ouvi frases como 'até parece que vou deixar minha empregada estudar. Empregada boa é difícil de arrumar, depois ela estuda e me abandona'.
O pior é que gente assim contaminou gente da periferia, que repete um mantra estúpido como se estivesse dissertando uma tese organizada em Oxford.
O pobre, que se levanta contra o governo, não nota que foi abandonado geração após geração pelos mesmos oposicionistas que querem o poder pelo poder. Entretanto, essa oposição provou hoje um veneno perigoso, que já vimos no passado. A oposição que adubou e plantou com tanto cuidado no terreno que deseja assumir já não é uma unanimidade. É óbvio que a população não dá a eles, ainda, a atenção que merecem, mas eles podem ter plantado uma semente maléfica, que há de vitimá-los de forma fatal mais tarde.
Por mais que se ache 'esperta' e 'ciente' da política, a população não o é e pode estar cavando a própria sepultura. Muitos dos presentes às manifestações o fizeram com conhecimento de causa, pois sabem que serão beneficiados se houver uma mudança no jogo político. A maioria do país, no entanto, que não se iluda.
O que se viu, em grande medida, foi um show de intolerância, que se vestiu de discurso de ódio e hoje afasta até pessoas que viveram grandes amizades. O PSDB, o DEM e seus aliados não mediram as consequências de seus atos e jogaram brasileiros contra brasileiros com o falso discurso de que o PT é o mal sem o qual o Brasil voltaria a ser o Brasil. Que Brasil? O das grandes desigualdades? Das corrupções engavetadas e jamais investigadas? O Brasil em que as empregadas ficavam em seus 'devidos lugares'? Desculpem-me pela ignorância, mas é a esse Brasil que se quer voltar? Dos coronéis, dos cabrestos, do trabalho escravo sem combate, do massacre das minorias, de uma polícia corrupta que deitava e rolava sem que ninguém nada pudesse fazer? Esse era o Brasil cerca de uma década atrás.
Houve avanços sob o governo tucano? Claro que houve, mas o partido se mostrou péssimo na gestão do país, sobretudo aos mais pobres. Os números mostram isso, não sou eu. O estado de São Paulo experimentou anos de avanço sob a batuta do Governo Federal. Sem ele, o governador mostrou ser incapaz de gerir as contas, os impostos e investir com capacidade. Vejam, quando digo isso, estou me referindo a investimentos nas camadas mais pobres da população.
O PT roubou? Que haja provas concretas e que os responsáveis sejam punidos. Mas que sejam punidos os corruptos do PMDB, do DEM, do PSDB. Não se pode destruir uma legenda e deixar outras igualmente corruptas intactas.
Por mais que o mantra das ruas diga que não, há sim, e muitas pessoas decentes no PT. Assim como há no PSDB, no DEM, no PMDB, no PXDRETYBJK, etc...
Nossa justiça atropela a Constituição, que eu julgava ser inviolável. Não é.
O texto só é respeitado quando conveniente. Os premiados projetos de transferência de renda são esculachados por quem vive no conforto das grandes cidades e ignora os avanços que levaram às áreas mais carentes do país. Dizer que o bolsa-família criou vagabundos é fechar os olhos à realidade e desconhecer estatísticas que provam o contrário e foram amplamente divulgadas.
A má vontade do brasileiro me espanta. É um povo violento, grosseiro e mimado, que não aceita ser contrariado que já parte para a ignorância quando os argumentos são insuficientes.
Não houve, desde 2014, sossego para que o governo tentasse implementar suas ideias. Será que os futuros administradores do país fariam algo em condições semelhantes? Pago para ver!
A corrupção sempre existiu e jamais deixará de existir. É assim em todo o mundo, desde o princípio dos tempos. Entretanto, com a saída do PT do governo, as instituições voltarão a ser travadas, a PF voltará a fazer um papel medíocre, como fez num passado não muito distante. Aliás, o juiz da PF que comanda a Lava Jato não vem fazendo nada mais do que a sua obrigação. Ele não é herói, ele não é um astro, ele é simplesmente alguém pago pela população que tem a obrigação de render. Alçá-lo à esfera de estrela é simplesmente patético.
Vejamos como os dias se seguem, mas o cheiro de tempos difíceis se sente de longe. O futuro confirmará ou desmentirá essa sensação.

domingo, 7 de junho de 2015

O PESO DA RACIONALIDADE

Ah, Deus. Eu preciso de sua ajuda. Eu preciso de sua força.
Ser racional demais tem sido um peso que não sei até quando conseguirei carregar.
Ninguém me pergunta se estou feliz. Ninguém me pergunta se estou satisfeito.
Eu tenho que ser uma máquina. Eu preciso ser, ter e fazer.
Se eu não faço, sou um fracasso.
Se eu não tenho, sou um incompetente.
Se eu não sou, há algo de errado comigo.
O tempo todo eu preciso ser, ter e fazer tudo o que as pessoas desenham para mim.
Alguém já me perguntou se eu quero? Alguém me ajuda a fazer as atividades inevitáveis?
Cansa ser o responsável por tudo. Cansa ter que me preocupar com tudo e com todos quando todos são egoístas e insistem em ver apenas o próprio lado.
É uma merda fazer o certo onde o certo é fazer o errado e fazer o certo te transforma num E.T.
Mas que porcaria de lugar é esse onde as pessoas se irritam com você porque você cumpre as regras, porque você cumpre os horários.
Eu queria saber quem foi o picareta filho de uma puta que disse que a pontualidade é coisa de gente chata, que ser certinho é defeito. Defeito é seguir esse conceito.
É um saco ver o triunfo da maldade e da desonestidade sobre a justiça, sobre a bondade.
É difícil acreditar que as coisas podem melhorar e, então, sair às ruas ou ligar o computador e perceber que o admirado é aquele que lava dinheiro, que mente, que massacra o próximo, que escraviza, que ostenta, que desdenha de quem nem alimento sobre a mesa tem mas, com o auxílio daqueles que despreza, enche os bolsos com o vil metal.
Eu só quero ser feliz. Eu só quero um mundo onde dizer a verdade às pessoas não cause melindres, chiliques e desconforto.
Eu só quero um mundo em que as pessoas não te odeiem por se sentirem contrariadas, um mundo em que as pessoas saibam que nós mais perdemos do que ganhamos.
Viver é perder!
É perder horas, dias, meses, energia, vitalidade, força, beleza, saúde. Viver é perder a vida, dia após dia, de forma inexorável e melancólica. Já que vamos perder tudo, inclusive a vida, não custa entender as críticas e transformá-las em força motriz para alcançar a felicidade.
Não aguento mais esse mundo chato, não aguento mais essa vida inútil, não aguento mais.
Eu preciso respirar. Eu preciso respirar... Foda-se o dinheiro. Foda-se o poder. Foda-se essa sanha por fama, poder e fortuna. Foda-se...

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Terça

O céu escureceu há horas
Opaco, sem lua, sem estrelas
Sem as listras azuis na rede
O lar é distante, a cama é vazia
Em outros braços repousa
Em outro corpo se aquece
De outro alguém se esquece
Entristece a certeza da dúvida
Talvez queira, só talvez
Talvez sirva, mas só se servir
Talvez satisfaça, mas só se calar
Igual és agora não pode ficar
Pra ganhar sobrevida precisa mudar
O corpo estranho lhe dá diversão
O momento feliz é pura ilusão
O peso na mente supera o prazer
Ao pensar na vitória acabou de perder
O dia clareia e traz a verdade
Nua, crua, cruel realidade
Sob o teto reflete a sinistra ambição
De querer outros corpos e um coração

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Enfim...

Cada segundo sem você é uma eternidade, vazia e triste.
Eu poderia te ligar, eu poderia te chamar nas redes sociais, mas...
Fazer isso iria contra o acordo de te deixar livre para viver a sua vida.
Nada nos pertence, ninguém nos pertence.
As pessoas apenas frequentam a nossa vida quando acreditam que lhes acrescentamos algo.
Quando decidem sair é porque já não somos mais motivo de alegrias.
Quando decidem sair é porque a felicidade deixou de existir e ficou só um buraco.
Se existe um buraco é preciso que se procure algo que o feche.
Eu poderia implorar para você voltar, mas não seria justo.
Fazer isso seria o mesmo que lhe acorrentar à tristeza que minha vida se tornou.
Você não merece isso.
Você merece muito mais e sei que encontrará a felicidade que procura.
Pena que seja longe de mim.
Que a felicidade esteja contigo em cada canto que você frequentar.
Penso em você o tempo todo e espero que, ao menos, um pouco de mim tenha ficado em seu coração.
Quando amar não é o bastante, a saudade é a parceira mais provável.
Quando amar é só um detalhe, a ausência é a companhia diária.
Quando amar não é suficiente, a distância se impõe e se faz presente.
Levo você comigo, mesmo que não saiba, mesmo que não sinta.
Levo você comigo, em cada sonho, em cada realização.
Mesmo que não saiba, choro com você as derrotas.
Mesmo que não saiba, divido contigo as vitórias.
Mesmo que não saiba, estou aqui, pensando em você...

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Sabe, Léo

Este texto foi postado em meu perfil no Facebook em homenagem ao meu primo Leonardo. Cresceu ao nosso lado, teve momentos maravilhosos e outros terríveis conosco. Um dia essa história terminou e deixou um vazio persistente em nossos corações.
É muito difícil lidar com as perdas. Mais ainda quando quem parte é muito jovem e poderia ter vivido tantos momentos especiais.
A vida é um mistério que jamais poderemos desvendar. Mas é, também, uma bênção que podemos festejar.
Apesar da dor e da saudade, Léo, saiba que esse texto é um tributo aos 20 anos que pude ter ao seu lado. Você era um cara lindo, com defeitos e virtudes como cada um de nós. O amor por você será infinito. As décadas que eu espero viver jamais tirarão de mim as lembranças de seus dias, de seus sorrisos, de sua expressão, de sua voz, de seu amor.

Reproduzo aqui.

Amar...
Sabe, Léo... Estava aqui pensando em todas aquelas definições que as pessoas tentam formular sobre amar. Talvez não seja tão difícil definir, como muitas pessoas supõem...
Amar é tomar conta de um moleque de seis anos e ter que dormir com a luz do quarto acesa para evitar que um leão entre pelo buraco da fechadura e te devore. Amar é perceber que o menino dormiu, colocar o cobertor sobre ele e finalmente apagar a luz...  Amar é acordar no meio da noite perceber que essa criança sumiu. Amar é ficar preocupado e procurar esse molequinho pela casa toda e, depois de ficar apavorado, notar o pedaço de um travesseiro surgindo debaixo da cama. Amar é, então, perceber que o medo do leão assassino era tanto, que o pequeno Léo preferiu dormir escondido no lugar mais improvável.
Amar era assistir um milhão de vezes ao Estranho Mundo de Jack, ouvir você reproduzir todas as falas e músicas e, ainda, fazer a sua mãe passar pela mesma situação. O que preocupa Jack? O que preocupa Jack?
Amar era sentar-me na sala com você e me acabar jogando videogame: vôlei, futebol ou um game de lutinha mesmo, como a gente fazia muito. Lembra, Léo?
Amar era ficar gritando “bambiiiiiiiiiii” na janela da sua cozinha todas as vezes em que o São Paulo tomava um gol. Amar é lembrar que você começou santista, virou bambi e acabou corintiano...
Amar era ficar numa resenha quase interminável sobre futebol com você:
-Kléber, me leva num jogo do São Paulo no Morumbi?
-Não, Léo.
-Kléber, me leva num jogo do São Paulo no Morumbi?
-Não, Léo.
-Kléber, me leva num jogo do São Paulo no Morumbi?
-Não, Léo.
-Eu nunca fui num estádio, Kléber. Me leva!
-Só levo se for num jogo do Corinthians.
-Ah, tá bom, vai...
Amar é, mesmo com o tornozelo operado, ir com você e com algumas pessoas especiais a um jogo da Copa do Brasil no Morumbi. Corinthians 4x0 Goiás... O estádio estava lotado, você consegue se lembrar, né? E que noite gelada, lembra? Ah, mas a apresentação de luxo do Herrera esquentou aquela noite de inverno. No terceiro gol te vi chorando de emoção. Será que alguma coisa havia mudado dentro de você? Ah, mudou! Na mesma semana sua mãe te comprou um agasalho do Timão.
Amar era assistir a vários jogos com você... Vou começar uma musiquinha, vê se você reconhece: - “ÔÔÔ, o Coringão voltou”... Sim, nós dois estávamos lá e foi lindo, foi um momento nosso. Voltamos rindo muito no metrô. Como poderia me esquecer? Ainda guardo aquela bandeirinha em algum lugar...
Ahhhhhhhhhhhhhhh, Léo! Consegue se lembrar de quando você era um menininho hipocondríaco que sempre estava doente, mesmo sem estar? Não? Eu me lembro bem... Como não amar aquele menininho que não saía daqui, sempre tão carinhoso...
Amar era ver você passar na frente do portão enquanto eu estava lavando a louça e ver aquele sorrisão seguido de um: “E ae Klébeeeeeeer”...
Amar era saber que você estava fazendo umas coisas não muito legais e, ainda assim, trancar você no meu quarto e falar, falar, falar...
Amar era continuar te amando mesmo depois de ter a certeza de que nada do que havia sido dito tinha servido para te ajudar.
Amar era ver você fazer uma besteira atrás da outra e, ainda assim, ter a certeza de que na próxima chance você mudaria, você voltaria para os nossos braços.
Amar era torcer para a clínica mudar você, e ela mudou, e durante algum tempo você voltou a ser o nosso Léo, de sorriso largo, abraço caloroso e coração dourado.
 Amar era ver o seu amor distribuído entre nós. Seu amor era de todos e para todos.
Amar foi sentar-me com vocês poucos dias atrás e compartilhar sonhos, histórias (inclusive a do leão assassino), boa comida, boa bebida e os últimos momentos ao seu lado. Foi nossa despedida.
Amar foi estar com você em tantos momentos e, na maioria das vezes, amar era não estar contigo, mas saber que estava conosco, mesmo que nem ao menos tivéssemos ideia dos locais por onde você andava.
Amar foi passar a última madrugada ao seu lado, ver o estrago que as drogas fizeram em sua vida, em nossas vidas e, ainda assim, não sentir raiva de você e só perceber que te amava ainda mais do que poderia imaginar.
Amar foi aceitar fazer o que existe de pior nessa vida, enterrar alguém especial, só pra ficar mais um pouquinho ao seu lado, mesmo com uma dor que nunca havia sentido antes.
Amar... Foi tudo o que pude fazer por você nessa vida. Não foi suficiente pra te deixar por aqui mais um tempinho. Amar foi receber tudo o que você pôde fazer por mim...
Amar... É isso que farei eternamente. Amar você, mesmo num plano diferente. Amar você, mesmo na ausência latejante. Amar você e torcer muito para ter a chance de te abraçar de novo e te dar muitas, muitas broncas.
Foram tantas histórias, foi tanto amor, foram 20 anos...

Vá em paz, meu Léo, a mim só resta te amar...  

VIVER

Em queda livre
O tempo não termina
O fundo é próximo
Os pés encostam a lama fria
O gelo sabota a vida
A luz está distante
A Lua não se vê
Estrelas não bastam
Mas os raios solares invadem a alma
Só o Sol pode salvar e condenar
E ele queima mostrando o caminho de volta
Em elevação
O azul se aproxima
As nuvens não assustam mais
A tempestade já se foi e deixou lições
Limpar e reconstruir
É tudo o que resta
Tapar o poço e se distanciar
Curar as feridas e voltar a sonhar
Para um dia cair e não voltar