segunda-feira, 4 de agosto de 2008

E O CALDO ENTORNOU...

Que o final de semana era promissor já se prenunciava havia alguns dias, mas que as emoções seriam tão intensas nem mesmo eu, adepto assíduo das grandes confusões, poderia pressupor...

Um sábado cinzento, promessa de chuva depois de uma estiagem irritante (não só para olhos, gargantas e narinas, mas para o humor também). O dia seguiu normalmente até o início da tarde, quando algumas ligações começaram a tecer uma teia prá lá de intrigante.

A tarde seguiu e o Corinthians não passou de um empate com o Criciúma, que saco, mais um empate...

Caiu a noite promissora e cheia de malandragens. Nessa hora você se vê diante de um dilema: "Ser bonzinho e ajudar ou ser canalha e fazer valer os instintos?". Não sou santo, tampouco sou mal-caráter, mas às vezes somos tomados por uma cegueira momentânea e uma privação de sentidos que quando recobrada nos mostra o quão melhores poderíamos ter sido em situação A ou B.

Assim como todo o mundo eu também erro (mais do que gostaria às vezes) e identificados esses erros bate aquele arrependimento. Não me venha com essa história de não se arrepender do que foi feito, afinal isso é coisa de quem não tem humildade e não reconhece seus erros. Arrependimento é sim uma forma de polir o caráter e criar uma sintonia fina com a correção que nossos atos devem ter. Não foi assim tão grave o que fiz e de certa forma vai até ajudar, mas não agora... O importante é que estou disposto a reparar meu erro (acalmem-se ávidos curiosos, não engravidei a menina e não me casarei com ela, rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs), mesmo assim não fui dos caras mais decentes. Falo aqui de um comportamento inapropriado que talvez tenha magoado, mas que no fim terá os meios justificados (apesar de não gostar muito desta expressão).

Além disso pude ver alguns dos comportamentos que mais abomino passarem um a um à minha frente. Isso é mais uma prova de que o mundo mudou e que o livre arbítrio nem sempre é bem interpretado. Não sou falso moralista, nem hipócrita e também devo fazer algo que desagrada as pessoas, vai saber, mas tive que ver alguns defeitos em pessoas que amo que eu desconhecia. O meu amor diminuiu? Nâo, mas que fiquei triste, ah isso fiquei.

Depois disso, finalmente, um domingo familiar era tudo o que eu precisava para refazer-me e foi o que tive. Um noivado, boa comida, companhias agradáveis, uma visita muito divertida aos familiares de minha cunhada à noite e um fim de noite dos que mais gosto, dono de casa, nas compras em um grande supermercado. E que venha mais uma semana abençoada por Deus.

Dedico esse "post" aos meus queridos amigos que amo tanto e que, independente do que fizerem terão meu apoio, mas com puxões de orelha de agora em diante, hehehehehehehehehe.

2 comentários:

Paulo disse...

Bem que vc comentou que vai gerar váaarias (???)... rsrs

Depois me conta.

Abraço

by Nando Lima disse...

Queria poder entender ou talvez mudar, perdão pelo que fiz...