sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Um lindo dia de sol... Parte II

Acompanhada de Christian e um tanto surpresa, Fabiana reuniu-se com os outros três sócios do escritório por cerca de duas horas. Falaram sobre investimentos, riscos do mercado financeiro, ações e sobre direito fiscal.
Fabiana era cliente e sua Empresa passava por uma mudança no departamento jurídico, por este motivo fora designada a reunir-se com o novo escritório que assumiria a conta. Justo lá, encontrara o homem que poderia ser o de sua vida.
Depois de uma maratona de documentos lidos, rigorosamente analisados e assinados, recebeu de Christian um convite tentador:
- Almoça comigo, Fabiana?
Não teve como negar e foram a um restaurante italiano na região... Boa massa, música ambiente e um clima dos mais aconchegantes. Comeram e Christian tentou convencer Fabiana a tomar algumas taças de vinho. Vinho àquela hora da tarde e precisando voltar para a Empresa não seria uma boa pedida. Recusou algumas vezes e tomou mesmo um suco de laranja sem açúcar.
Muitas coisas malucas passavam por sua cabeça e dalí se despediram, mas ainda teriam na mesma noite um jantar para acertar os últimos detalhes da prestação de serviços do escritório de advocacia.
Voltou para a empresa, de ônibus, a cabeça girando, as rodas para cima como um carro desgovernado que acabara de tombar numa curva perigosa.
A tarde voou e ansiosa pelo jantar esperou o celular tocar. Após pouca espera Christian ligou para combinar o horário e na hora marcada foi buscá-la.
Linda, num vestido azul irresistível e com os olhos realçados por uma bela maquiagem, Fabiana saiu e foi ao encontro do rapaz.
- Nossa, que linda você está! Desculpe a indiscrição, mas você é comprometida?
Com um sorriso satisfeito a jovem disse que não e ouviu mais um comentário embaraçante do rapaz:
- Olha, tenho um palpide de que hoje essa essa fase passa e você se compromete.
Perceptivelmente ruborizada a jovem pensou:
- Hoje é meu dia. Ele vai querer ficar comigo!
No caminho um pedido estranho. Christian pediu para passar em uma joalheria e a jovem estranhou prontamente.
- O que há de querer numa joalheria. Nos conhecemos hoje, será que ele é maluco?
Minutos depois ele entrou no carro e agradeceu a paciência. Ao colocar as mãos ao volante um susto imenso: UMA ALIANÇA, NA MÃO ESQUERDA.
Christian havia levado sua aliança danificada para um conserto na joalheria e explicou como a danificara para Fabiana, perplexa...
Chegando ao restaurante o rapaz avisou que sua esposa participaria do jantar e que esperava que Fabiana não se importasse, afinal depois do jantar levaria Karla ao teatro.
Fabiana já estava sem chão e ao entrar no restaurante a surpresa foi ainda maior ao ver Karla, uma grande amiga do colegial com quem tinha contatos regulares.
Karla recebeu a amiga com grande alegria e fez a clássica menção ao famoso "Mundo Pequeno". Ela sempre falava do marido, um advogado talentoso e apaixonado que mudara sua vida.
Fabiana jantou perturbada e se despediu completamente sem rumo. Recusou a carona e preferiu ir de taxi. Karla, fez questão de convidar a amiga para frequentar sua casa, Fabiana aceitou, apenas por educação.
No taxi, as lágrimas foram inevitáveis e ao chegar em casa o espelho parecia seu inimigo.
Ainda linda, mas de maquiagem borrada ela lamentava a má sorte.
Perdera "seu" advogado para uma antiga amiga. Na semana anterior perdera "seu" médico para um surpreendente namorado gay. Antes disso, já havia perdido "seu" engenheiro para uma Multinacional Alemã, na Alemanha...
A sorte realmente não era aliada de Fabiana e mais uma vez dormiria só, sem amor, sem algo em que pudesse se apegar nos momentos de sucesso e fracasso. Mais uma vez dormiria só e acordaria no dia seguinte e então correria no Parque do Ibirapuera, iria para a academia, trabalharia e jamais desistiria de encontrar seu amor... Mas que dessa vez, não fosse casado, gay ou morasse do outro lado do oceano. Que dessa vez pudesse ser somente seu... E seguiu seu caminho...

2 comentários:

Fecer disse...

Aah! Só porque eu tinha achado o Christian um cara espontâneo e romântico você decide fazer isso!? Hahahaha
Gostei bastante. Sua escrita é sublime!
Vai ter continuação?

Kléber disse...

Hahahahaha... Valeu Fe. O legal em criar "crônicas" é a chance de finalizar de forma inesperada, diferente daquele famoso "E viveram felizes para sempre". O Christian é tudo o que você achou, mas é casado, rsrsrsrsrsrs. Pena prá nossa protagonista. Não pensei em continuar esta historinha, mas já que você deu a sugestão, por que não dar um final feliz prá Fabi??? Sublime? Nããããão, está longe disso, mas obrigado por ler e comentar. Abração.